quarta-feira, 5 de junho de 2013

Me levando pra passear

Eu não vou fingir modéstia. Eu me acho um cara muito bacana e adoro a minha companhia. Por isso, não tenho o menor pudor em, vez em quando, me levar pra sair. Meus programas favoritos comigo mesmo são cinema e restaurantes.

Meu aniversário passou há pouco. Na véspera me levei para almoçar num dos meus restaurantes favoritos. Como um presente pra mim mesmo. Só eu, a mesa, a comida e meus pensamentos. E foi ótimo.

Ontem à noite, me levei ao cinema mais uma vez. Foi ótimo também. Eu, minha pipoca, o filme e meus pensamentos.

Mas chega a ser engraçado como as pessoas não estão preparadas/acostumadas/dispostas a encarar isso de forma natural. Enquanto você está do lado de fora esperando pela hora, comprando pipoca, na fila pra entrar, tudo bem. Porque as pessoas te imaginam como alguém que está esperando por alguém. Mas aí a fila andou e as duas senhoras à minha frente já começaram a olhar com aquela cara de "tadinho".

Entra na sala, escolhe o lugar, senta. "Não. Não tem ninguém aqui", eu disse a um casal que intencionava sentar ao meu lado. Eles sentaram. As tias da fila sentaram à frente e ainda deram umas duas olhadas pra trás. Pra certificar se eu tava sozinho mesmo.

Eu estava bem no centro de uma fileira. Ao lado esquerdo o casal. O direito tinha dois lugares vagos até chegar em outra pessoa. Outro casal veio. "Ali, linda!" "Ali, não. Já tem o rapaz e alguém do lado dele."
"Tem ninguém aqui não", repeti. "Ah, não, vamos ali pra cima. Obrigado."

Ok.

Aí veio o diálogo com o cara do meu lado (e as duas tias da frente se viraram pra observar)
Ele: Você tá sozinho?
Eu: Tô!
Nossa, que coragem.
Pois é. Você acha?
Eu não teria coragem de vir sozinho pro cinema.
Por que não?
Ah, sei lá. Qual a graça de vir só?
Escolhi o filme que eu queria. No horário que eu queria. (e aqui ele começou a rir, olhando pra namorada, enquanto ela fazia cara de "tá vendo?") Comprei o que eu quis pra comer. Sentei onde eu quis. Se eu não achar bom, vou embora. E eu sou muito legal, minha companhia é ótima!
É... eu não queria ver esse filme não. Só vim por causa dela.
Então, se vocês tivessem coragem, ela vinha sozinha.
ELA: Mas eu tenho. Ele que não deixa.
Eu: Bom, aí eu não vou me meter no relacionamento de vocês, né? Mas que é legal vir sozinho, é.

E, ainda bem, já tinham começado os trailers, eu olhei pra frente e não falei mais nada. Espero só não ter causado uma crise no relacionamento dos outros.

No fim do filme, já saindo da sala, uma das tias da fila vira pra mim e diz: "Bonito isso, viu? Mostra que você gosta de você mesmo. Parabéns!"

Eu dei uma risada pra ela e disse: Alguém tem que gostar, né?

2 comentários:

Letras Saltitando disse...

HAUHAUAHAUAHUA! Bah, já escrevi sobre isso lá no blog... eu também gosto de fazer programações sozinha, e adoro ir no cinema sozinha. Mas, realmente, as pessoas sempre nos olham com olhar de "tadinha", "coitadinha", "será que tá sozinha"... eu dou risada!!!!
Bjo

Paula Barros disse...

Adoro sair só. E como diz no texto, estar comigo, fazer o que gosto, me ouvir, estar com os meus pensamentos.
Cinema, teatro, shows, e até viajar. Embora sempre entre na conversa de alguém, ou esteja ouvindo as conversas alheias.
O que não gosto mesmo é estar com alguém e me sentir só.
Minhas amigas ainda estranham esta atitude.